22 de mar de 2013

5 anos depois

Estou postando depois de 5 anos de criar o blog, só para dar notícias e atualizar os leitores...

Para começar, eu gostaria de dizer que eu leio todos os comentários postados, e estou bastante feliz com o pessoal fazendo contato entre si e comentando como estão indo, pequenos truques que usam, compartilhando experiências, etc. É bom ver um senso de comunidado num momento em que nos sentimos tão isolados.

Espero que você veja que não está sozinho. Toda experiência que você como ser humano em que você se sente único e "esquisito", é provavelmente uma experiência que uma boa parte da humanidade sente também, mas não comenta com ninguém.

Sobre mim, estou feliz por informar que não tive NENHUM ataque de pânico desde então.

E este período inclui um dos piores momentos da minha vida... Lembro que quando escrevi os posts inicialmente, falei que você não teria pânico nem quando alguém próximo falecesse; na hora eu senti um frio na espinha pois imaginei isso acontecendo comigo, e não queria pensar no assunto.

Mês passado isso realmente ocorreu, minha mãe faleceu de repente. Eu senti todos os sentimentos que se espera: tristeza, medo, arrependimento, frustração... Mas em nenhum momento senti ansiedade ou começo de um ataque de pânico.

Mas não quero focar em negatividade: no geral minha vida está indo muito bem, me mudei pro exterior e me estabilizei aqui, tenho um emprego bom, muitos amigos e várias atividades sociais.

Hoje já me senti mais confortável contando pras pessoas que tive ataque de pânico, para mim é como se fosse uma vida passada ou um filme. Já não é tão pessoal. Todos ficam surpresos ao saber, pois hoje não tenho nenhum sinal de ansiedade.

Em retrospectiva, eu quero ressaltar que não lutar contra a síndrome do pânico é uma das chaves. Elimine termos como "vencer" ou "derrotar" do seu vocabulário. Simplesmente aceite cada ataque como algo natural, mesmo sendo extremamente desconfortável. Isso vai ajudar a quebrar o círculo vicioso aonde você está preso.

Além disso, exercite coragem: o contrário de ansiedade não é calma. Acredito que o sentimento de ansiedade que causa os ataques de pânico é criado pelo mente se sentindo sem controle da sua vida. Não é a toa que você entra em pânico.

Exercitar coragem vai destruir a essência da ansiedade. Pense em como você  gostaria de viver, e tome medidas (que na maioria necessitam coragem) para tornar isso realidade. Se você falhar, não tem tanto problema pois pelo menos sua mente saberá que você tem o poder de mudar as coisas. Talvez demore algumas tentativas para atingir seu objetivo, mas mais dia ou menos dias você chegará lá.

Estudos mostram que vítimas de violência que lutaram contra seu agressor ficam bem menos traumatizados no longo prazo dos que se renderam. Acho que neste caso é parecido... A mente não pode se sentir sem controle.

Então faça uma lista de 2 atos de coragem que você quer completar em 7 dias, nada muito extremo pra começar, mas também não pode ser insignificante, senão não é coragem. Veja o quão melhor você se sentirá.

Poste um comentário sobre como foi, e também participe da enquete na esquerda.

Muita gente tem pedido uma indicação de psicólogo(a), então aqui vai a minha: http://silviaaguilar.com.br/

Sobre outras perguntas que tenho recebi do via comentários, infelizmente eu não tenho tempo pra responder para cada um... Eu recomendo que caso você queira mandar algo que precise de uma resposta, que você poste numa comunidade sobre Sindrome do Pânico no Facebook ou Orkut. Lá bastante gente vai responder e dar dicas...

Por fim, eu quero agradeçer a todos os bondosos comentários. É sempre um prazer lê-los.

207 comentários:

«Mais antigas   ‹Antigas   201 – 207 de 207
Marcio Alves disse...

Sou Psicólogo formado me especializando em Saúde Mental, mas isso não impediu que tivesse o TRANSTORNO DE PÂNICO, que alias, relato minha experiência vivendo de “dentro” do transtorno, abordando num processo de autoanalise quais os fatores que me levaram a desenvolver tal transtorno, bem como discuto tratamento psicoterapeutico e medicamentoso, falando como conseguiu me recuperar. Tudo isso escrito no livro recém publicado chamado “45 DIAS DE PÂNICO TOTAL! PSICÓLOGO RELATA COMO CONSEGUIU SOBREVIVER”.

Anônimo disse...

Boa tarde.

Eu tenho crises de panico diárias. Eu me sinto refém de tudo.
Se fico feliz ou triste tenho crises.
Eu já disse aqui que tenho um filho de 2 anos. Tenho medo de perde-lo, de morrer, de ser mandada embora do trabalho, etc.
Eu quero fazer um pergunta; Alguém já fez entrevista de emprego e teve crise de pânico? Como superar isso?
Eu não tomo remédios, praticamente todos me deram reações adversas.
Eu acho que sou incapaz de fazer um entrevista.
Me ajudem!!!!

Anônimo disse...

Não vejo mais comentários novos aqui, achava legal as pessoas trocando experiencias, voltem a postar.

Karthika Shree disse...

Very nice post here and thanks for it .I always like and such a super contents of these post.Excellent and very cool idea and great content of different kinds of the valuable information's.
PEGA Training in Chennai

Anônimo disse...

Gostaria de saber como vc está hoje em dia. Em 2018, completarei 11 anos de SdP. Realmente gostaria de falar com outras pessoas que vivem o mesmo que eu, mas não tenho redes sociais...
Seu blog me acendeu uma luz, agradeço por isso. BOA SORTE A VC, MUITA SAÚDE!!!

B.

Gus disse...

oi Maria, muito legal o seu comentario (e que vc me mencionou tb..:) )
Olha, depois de varios anos (8) passando mal sempre que eu botava o pé pra fora de casa, finalmente vi a luz no fim do tunel.
Vi uns videos na internet do Panic Away (os gratuitos) e, sempre que eu saía e o peito começava a apertar, eu pensava ´Isso é só um desconforto. Vai passar´. E eu ia, e ficava aquele desconforto, pq eu ainda tava preocupado com isso. Mas, depois de um tempo, eu notava que passava mesmo. Aí comecei a confiar mais no meu corpo e aumentar as distancias. Sempre que eu sentia alguma coisa, pensava ´Ah, isso é só um desconforto. Nao sei como, mas vai passar´. E passava, pq, se eu tivesse pensado ´Ai meu Deus, pq eu sinto isso? ´ ou ´Pq isso nao vai embora?´ ou ´E se eu tiver uma crise aqui?´ (como eu fazia antes), isso teria jogado adrenalina na minha corrente sanguinea e não passaria. Como eu reagi com calma, passou.
Ainda nao to 100%. Nao me imagino ainda num aviao, por exemplo. Mas dentro da minha rotina, to de boa. Espero que mais pessoas saiam dessa tb.

eliesio aguiar disse...

Oi Ana. Sou uma pessoa que passou por essa doença, que alguns medicos dizem não ser, e garanto a você que tem cura. No começo, fiz uso de um remédio que tirou a ansiedade. Ocorria de estar num lugar cheio de pessoas e ter a sensação de que iria desmaiar, tomava o remédio e passava rapidamente. Isso me fez enxergar que meu psicológico estava alterado. Como alguém tomava um remédio que exigia um tempo pra fazer efeito e logo reagia com tranquilidade em relação a multidão que me cercava? Eu me.perguntava sobre isso. Além sisso, tive outros sintomas como: medos de morte, taquicardia, entre outros.
O MAIS IMPORTANTE: EU ME CUREI.Como? E um caso que não se baseia em remedios pq isso por si só não estava fazendo efeito mais depois de alguns meses (poucos, mas difíceis). Com o tempo percebi que, por já saber e ter conhecido alguém excepcional que me ama verdadeiramente: Jesus Cristo. E uma questão de fé. Ele morreu pra nós salvar por seu grande amor. A leitura bíblica e oração e a busca dEle sem se preocupar tanto com a cura trouxe- me aonde estou agora. Numa felicidade por não estar mais "doente", claro, algumas sensações bem leves precisa ser acompanhadas a fim de identificar se isso faz parte das sensações normais que a gente tem.
Não corrigi o texto, qualquer erro me desculpa. Atualmente está um pouco corrido.

«Mais antigas ‹Antigas   201 – 207 de 207   Recentes› Mais recentes»

Google